Fique por dentro dos eventos que acontecerão no mercado editorial, educacional e de idiomas

BlogCultura e EducaçãoWebinar

Que habilidades deve ter o professor da Educação 4.0

Educação 4.0

Disponibilizar recursos e tecnologias não é garantia de que o aluno vai aprender; para isso, o professor deve ser mediador e colaborador

Estamos vivendo um momento de grandes mudanças com o avanço da Inteligência Artificial (AI), Internet das Coisas (IoT), robótica e programação que têm aberto novos caminhos e perspectivas para o desenvolvimento de uma aprendizagem dinâmica. Da mesma forma, com a aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), fica determinado que as tecnologias são competência de ensino. E os professores, como ficam nessa história?

A formação dos professores é essencial para acompanhar tamanha maré de desenvolvimento. As políticas públicas deverão dar suporte para que isso ocorra, repensando o processo educacional e permitindo que criatividade e inventividade invadam as salas de aula. Com a inclusão de ferramentas digitais, o poder público precisa entender a prática docente como uma atividade transformadora cujo papel é mediar o conhecimento.

Por outro lado, é preciso que os docentes renovem suas práticas pedagógicas. Como? O professor deve ter o olhar para essa revolução, estimulando múltiplas redes de aprendizagem, permitindo uma gama de associações e de significações entre a escola e a comunidade do entorno.

Ainda que as transformações não ocorram na mesma velocidade na Educação, já é possível perceber avanços como no learning by doing, em que o aprendizado segue na mesma linha dos espaços makers – priorizando uma educação através da vivência e experimentação, resgatando o conceito de jardim da infância.

A participação efetiva de todos os atores, a fim de que a prática educativa seja revitalizada, permitindo interação e ampliação desse ambiente de aprendizagem vai contribuir para o desenvolvimento intelectual do aluno. O professor deverá ter um olhar mais profundo sobre as diferentes práticas adotadas, para garantir que o aluno seja o eixo central do processo de aprendizagem. 

Webinário Débora Garofalo

Tá dominado
Para Marta Relvas, doutora em Psicanálise e membro efetiva da Sociedade Brasileira de Neurociência e Comportamento, “a sala de aula passa a ser considerada o ambiente para aquisição dessas novas possibilidades tecnológicas, por meio das metodologias ativas e híbridas”. “O professor deixa de ser o detentor do saber e torna-se um colaborador da aprendizagem discente, necessitando o conhecimento de aplicativos básicos eletrônicos para ser capaz de exercer sua função”, afirma. Marta ressalta ainda que o professor também tem que dominar e usar computadores, projetores de multimídias, quadros interativos, tablets, smartphones e outros equipamentos tecnológicos tanto no seu dia a dia para estudar, quanto no processo de interação dos conteúdos das aulas. 

Nessa interação, o contato com o outro será a porta de entrada para que os alunos possam construir, descontruir e reconstruir a aprendizagem, numa espiral de conhecimento, seja com o objeto de estudo ou como o exercício da docência. A mediação pedagógica assume novo enfoque, no qual o professor exerce o papel de orientador e incentivador – tornando-se parceiro do aluno e instigando-o a compartilhar e refletir. Os desafios são grandes nessa troca e o uso de metodologias ativas se torna essencial na de resolução de problemas.

É importante deixar claro que disponibilizar altos recursos tecnológicos e ambientes virtuais de aprendizagem não garantem aos alunos uma aprendizagem efetiva. Para que tenhamos apropriação de conhecimento no processo de aprendizagem, devemos olhar para a educação integral, mediada pelo professor e pautada por uma aprendizagem rica em experimentação, envolvente e significativa. Nesse contexto, as relações socioemocionais e interpessoais possibilitarão a elaboração e reelaboração por parte de professores e alunos. Ao redefinir o papel do professor, o sucesso dos processos educacionais repousa no trabalho colaborativo e com direito à experimentação.

Para Marta Relvas, ao utilizar ferramentas tecnológicas, o professor consegue ativar o cérebro do estudante por meio de “rotas alternativas” para produção de novas conexões neuronais e aquisição do aprendizado. O ato de fazer estabelece e fortalece as interligações neurais, formando o que a neurobiologia denomina de “teia neuronal”. Em seus estudos, Marta diz que as células neuroglias são as responsáveis por esse “mosaico e citoarquitetura” do potencial de ação entre as sinapses elétricas e químicas dos neurônios da atenção e da memória, conhecidas como funções executivas e cognitivas do aprendizado. Evidências revelam por meio das neuroimagens que as metodologias ativas estimulam a base da ativação do sistema de recompensa, do interesse e prazer. Com as evidências científicas em relação aos processos da aquisição do aprendizado, educar torna-se uma tarefa complexa e que requer de seus educadores a competência e a dedicação nas práxis pedagógicas. “O maior desafio, no entanto, é planejar uma educação capaz de preparar o docente, o educando e a família para essas transformações, onde o estudante assume o protagonismo do aprendizado escolar”, afirma a professora Marta.  

O professor 4.0 deve ter percepção e flexibilidade para assumir diferentes papeis: aprendiz, mediador, orientador e pesquisador na busca de novas práticas. Ele deverá criar circunstâncias propícias às exigências desse novo ambiente de aprendizagem, assim como propor e mediar ações que levem à aprendizagem do aluno. Para isso, é preciso ter metas e objetivos bem definidos, entendendo o contexto histórico social dos alunos e as dificuldades do processo.

Citando novamente Marta Relvas, “a neurociência pode contribuir para a ação pedagógica por compreender as estruturas e o funcionamento do sistema nervoso central”. “A didática é a ciência que reconhece as metodologias e as abordagens da sistematização dos conteúdos acadêmicos escolares, e a tecnologia vem como ferramenta que permeia e ativa as curiosidades no sistema de recompensa cerebral. Portanto, pode-se considerar, que uma ciência complementa a outra e devem ser utilizadas como proposta para delinear a escola mais humanizadora que queremos para o futuro que já chegou”.

É preciso explorar os novos recursos e ferramentas, mediando o espaço entre o aluno e a informação, de forma participativa e interativa, próxima da realidade no processo de construção e reconstrução do seu conhecimento ao trabalhar com as diversas facetas do processo de aprendizagem. Porque, sim, o futuro já chegou.

E você, querido professor, como tem percebido estas mudanças na sua sala de aula?  Conte aqui nos comentários.

Um abraço,

Matéria originalmente publicada no site da Nova Escola

Related posts
BlogInglês

The Strangest of the Things

BlogInglês

Hábitos no ensino de idiomas

Aconteceu no mercadoBlog

Veja os eventos que marcamos presença - Julho

BlogCultura e Educação

O uso da tecnologia na atividade colaborativa entre pares

Assine nossa Newsletter e
fique informado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Espere um pouquinho!
Queremos mantê-lo informado sobre as principais novidades do mercado acadêmico, editorial e de idiomas!
Suas informações nunca serão compartilhadas com terceiros.